quinta-feira, 25 de junho de 2015

sobre a melancolia de novembro

pequeno poema em prosa 

No fim de tarde, o canto da cigarra, que deveria soar solene, tem um tom menor, como numa canção de dor. Os beija-flores aparecem cada vez com menor frequência - até o café esfria mais rápido. Observo, num gesto curioso, o céu: é sempre cinza. Não se escuta, pelo menos aqui, os pássaros cantarem. Ainda estamos no mês de julho, é verdade; porém ainda me lembro do mês de novembro do ano passado. Escrevi isso ano passado, em novembro, é claro. Sim, o mês de novembro é triste.